Blog

Você está em: HomeBlogA arte de aceitar as diferenças

A arte de aceitar as diferenças

Ainda hoje, há quem fique hipnotizado com sua própria forma de ser e não consiga aceitar que outras pessoas sejam diferentes de nós. Mas por que é tão complicado aceitar as diferenças?

Narciso, famoso personagem da mitologia grega, é conhecido pela vaidade e orgulho da sua beleza. Conta a história que um dia, Narciso viu seu próprio reflexo num rio e ficou apaixonado por si mesmo. Não conseguindo parar de se olhar, morreu sozinho, na companhia exclusiva do seu eu espelhado nas águas.

A lenda parece muito distante da realidade, certo? Mas, ainda hoje, há quem fique hipnotizado com sua própria forma de ser e não consiga aceitar que outras pessoas sejam diferentes de nós. Em épocas de polarização política e religiosa, nunca houve tanta gente querendo convencer o outro de sua própria razão. Mas por que é tão complicado aceitar as diferenças?

O outro sempre esteve lá

Somos muitos. Na escola, em casa, no trabalho, no grupo de amigos, podemos até ter afinidades e opiniões parecidas, mas sem dúvidas também temos diferenças. Quando um bebê nasce, ele ainda acredita que a mãe e ele são parte do mesmo corpo. Nas primeiras horas e dias de vida, vai ganhando a consciência de que é um indivíduo. Esse talvez seja o primeiro grande trauma do ser humano: descobrir que há um mundo além do seu próprio umbigo.

E se, desde bebês, somos alertados pela vida que há outras existências e necessidades, o que nos faz persistir na intransigência de que tudo tem que ser como nós queremos?

A negociação

Começamos a negociar: gostar de um estilo musical diferente, tudo bem, mas não comer japonês é demais. Ou você pode até não curtir viajar, mas não admite que seu colega não curta futebol. Negociamos limites de tolerância e assim que o outro ultrapassa essa linha do comum, negamos a diferença.

O medo

Uma atitude violenta pode estar protegendo um pavor incontrolável. Quando temos medo de alguma coisa, nos sentimos ameaçados. E, muitas vezes, aprendemos a esconder nossas inseguranças com agressividade. Não aceitar o comportamento alheio pode ser um sinal de que ele desperta em você emoções que não consegue controlar. Se existe um padrão de revolta sobre determinado tema, é hora de embarcar nessa própria viagem e refletir sobre o que pode estar lhe trazendo angústia.

O espaço do julgamento

O superego é uma instância do aparelho psíquico que comanda nosso bom senso. Porém, ele também pode ser severo. É comum que façamos uma analogia do superego com um pai protetor. É o superego que nos lembra de levar o guarda-chuva, que nos interrompe antes de uma palavra agressiva ou nos aconselha a não ir por aquela rua escura. Mas ele também pode nos guiar a reprimir o nosso desejo e o dos outros. Geralmente, quem tem muitas dificuldades em aceitar o desejo alheio, tem uma postura consigo mesma muito severa. Podemos começar, portanto, nos julgando menos, com a intenção de, no futuro, julgar menos o outro também.

Compartilhar é somar

Abrir a porta do coração para o incomum pode nos trazer boas surpresas. Se a amiga chamou para ir a um restaurante novo, por que não aceitar? Novos lugares, novas pessoas, novas ideias. E, se não for confortável, você sempre pode voltar um passo. Devagar e sempre, vamos ampliando a nossa rede e descobrindo que compartilhar o novo é somar novas experiências e emoções.

COMPARTILHE:
ÚLTIMOS COMENTÁRIOS

CADASTRE-SE E RECEBA AS ÚLTIMAS NOTÍCIAS SOBRE ENEAGRAMA NO SEU E-MAIL.

Todos os direitos reservados. IEneagrama. 2018

Desenvolvido por: DBlinks - Agência Digital